Bem-vindo ao meu blog

Desejo que todos sejam ricamente edificados quando por aqui passarem.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Línguas na rua Azuza

Fogo na Rua Azuza


FRANK BARTLEMAN foi um evangelista Holiness que recebeu notícias do avivamento no País de Gales, ocorrido em 1904, passando a dedicar a sua vida a orar e publicar livros e folhetos conclamando outros a orar e buscar um avivamento para a cidade de Los Angeles, Califórnia (AZUZA - a história do avivamento). “No dia 16 de agosto (1906), à tarde, o Espírito se manifestou através de mim, por meio das línguas estranhas. Estávamos em sete, naquela ocasião. Era um dia de semana. Após alguns testemunhos e louvor, tudo ficou quieto, e eu andava silenciosamente de um lado para o outro, louvando ao Senhor no meu espírito. De repente, pensei ouvir a minha alma (não com meus ouvidos naturais) e uma voz forte falando em uma língua que eu não conhecia. Mais tarde, ouvi sobre uma experiência semelhante na Índia. Parecia arrebatar-me e satisfazer totalmente toda a tendência ao louvor que estava presa dentro de mim. Em poucos instantes, encontrei-me com algo que independia de minha vontade própria, enunciando com minhas cordas vocais os mesmos sons que antes ouvira dentro de mim. Era a continuação exata do que eu ouvira em minha alma há alguns minutos. Parecia uma língua perfeita, e sentia-me como um espectador. Entreguei-me inteiramente a Deus e fui com simplicidade carregado por Sua vontade, como por um riacho divino. Eu poderia ter me calado se quisesse, mas não o faria por nada neste mundo. Uma sensação de consciência celestial se seguiu. É impossível descrever a experiência com precisão. Deve ser experimentada para ser apreciada. Não houve esforço de minha parte para falar, e nem a menor luta contra este fluir espontâneo. A experiência era sagrada: o Espírito Santo tocava nas minhas cordas vocais como uma harpa sendo tangida pelo vento. Tudo o que foi dito foi completa surpresa par mim, pois nunca me esforçara para falar em línguas. Pelo contrario, porque eu não podia compreende-las com minha mente natural, tinha até medo da experiência.”